domingo, 27 de outubro de 2013

Eu não os abandonei...apenas fiquei mais quieto....

Olá Amigos;

Antes de mais nada quero agradecer as inumeras manifestações de carinho, apoio e solidariedade nesse meu momento tão...como direi....delicado de minha humilde existência. 

Não sei e nem posso imaginar como o quadro se formou, através de uma moldura escura, fui ficando mais reservado, menos comunicativo e introspectivo. Tentei conter o assunto para a familia. Minha esposa e filha não entenderiam e meus pais menos...ledo engano. Esse foi o único apoio real e palpável que recebi nesses dias obscuros. E-mails de solidariedade foram ótimos, me ajudaram a levantar o astral nos maus momentos, porém os mais "peludos", enviados pelos extremamente materialistas em nada me conturbou. Alguns desses foram ofensivos, mal criados e bem intransigentes, como se pode esperar de todos as pessoas que são agressivas e conturbadas...elas, como diz em Desiderata, texto que gravei na minha voz, agridem nosso espírito.... mas para quem está no mundo dos negócios, como eu e você que me lê nesse momento, sabe que temos de lidar com todo tipo de pessoas e, seriamente, como seria bom se pudéssemos lidar apenas com máquinas pois não há nada mais fálico que o material HUMANO. (ouça aqui o texto desiderata em minha voz: http://youtu.be/lVJg65gq94c
Mas para quem pensa que esse período eu pude ficar em casa, fincar a cabeça no travesseiro e poder chorar tanto quanto possível, está totalmente errado. Vim para a Officina após uma semana afastado, com muitos medos e receios. Os medicamentos ajudaram, mas afastavam os fantasmas apenas temporariamente. Liguei para o médico num dia de chuva e após 3 minutos de conversa e ele insistir que eu deveria me afastar da Officina e que o problema seria resolvido ao longo do tempo (e bota longo nisso, que eu deveria cancelar TODOS os compromissos), minha única posição foi inversa ao conselhos médicos. Eu havia prometido, há algum tempo, que faria uma apresentação para as crianças de uma escola pública da cidade, no Museu da Evolução e Ciência da cidade. fiquei sem como desistir, achei que não seria coerente já que ainda sonho com a instalação do Museu e, se não for por mim, que seja pela próxima geração....aceitei. Foi numa 2ª feira e, para desespero geral eu só consegui imaginar o que apresentaria para minha pequena platéia na véspera.
Justamente na véspera a moça que solicitou a apresentação me disse: Por falta de espaço, teremos de fazer 3 apresentações: 8:00, 10:00 e 15:00h.... amigos, eu não estava com ânimo para a primeira, que diria, mais 2 apresentações... fiquei a madrugada de domingo para segunda editando...acabei as 4:20 da manhã e fui para casa...mal dormi, acordei às 6:30, um banho gelado para acordar, me vesti e fui para o Museu com alguns rádios, gramophone e curiosidades...
Cheguei e o diretor do Museu, daqueles que carregam a Instituição nas costas, me ajudou a carregar até o palco. entabulamos uma conversa e contei o que eu passava no aspecto emocional...ele me confidenciou que um membro de sua família também enfrentava tal situação. Sabe quando você ou sua esposa está grávida e parece que ao sair, vocês encontram diversas grávidas??? Pois bem, foi nesse cenário que vivi e percebi que se trata, junto com a obesidade, a depressão é um mal do novo século.
Bem...claro que o som deu problema, precisei correr do Museu à Officina para corrigir os arquivos de audio, mas cheguei em tempo de ver as crianças chegarem.
E CHEGARAM....aquele monte de olhinhos, ávidos por conhecimento e por palavras interessantes estavam ali, prontos para ouvirem um "velho" falar sobre rádios velhos e de coisas que não fazem parte do seu dia-a-dia, nada tem a ver com as tecnologias que pretendem alçar e etc. Eu tive a oportunidade de ver minha pequena platéia...crianças pobres, algumas com os pés descalços, roupas puídas pelo tempo e as professoras, tinham rostos alegres, porém cansados... Já enfrentei plateias grandes em inaugurações, teatros, shows e etc, mas não sei se pelo quadro que enfrentava ou pela vontade de me superar, parece que tirei aquela tristeza ruim do peito, abri um sorriso e ataquei, comecei brincando com as crianças, mostrei slides, audios antigos, a ultima edição do Reporter Esso, voltei no tempo com elas e contei a história do rádio e a história do processo de gravação no mundo...busquei a todo tempo ser coerente, numa linguagem plana e voltada diretamente à minha plateia infantil.
Nem percebi, mas a hora voou.... terminei vitorioso a primeira apresentação e depois de apenas um gole d´agua,  já estavam sentados, me esperando, outros 83 alunos....
E ataquei a segunda, mais solto, mais concentrado no horário e menos disperso...terminei às 11:15h. Saí junto com as crianças para ir buscar minha filha e sobrinho na escola...fui direto para casa, outra ducha e cai no sono...dormi até às 14:00h, acordei com o relógio e parecia que havia um caminhão sobre meu peito...para poder me concentrar no texto decorado eu não tomei as "pilulas mágicas da manhã"...agora eu pagava o preço, mesmo debaixo do chuveiro frio eu transpirava como louco...me vesti e convidei minha filha e sobrinho para assistirem à apresentação....
 Peças exibidas (Acervo Officina do Rádio Antigo)
 Aqui estão - Srta. Raíssa(filha) e Luis Felipe(Sobrinho)
Minha 3ª Plateia...
 A terceira foi ainda melhor...brinquei as crianças e com as professoras, foi divertido...mas eu estava com uma dor de cabeça insuportável, não tinha almoçado e estava sem medicação...terminada a apresentação, liguei para a Dna Vanessa buscar as crianças...após as crianças saírem, carreguei o carro com a ajuda do diretor do Museu, e fui direto para casa. A dor de cabeça estava altíssima...eu durmi das 17:30 da segunda-feira até às 8:00h da manhã da 4ª feira...toda vez que acordei foi para por o estomago para fora... ao sair da "toca" na 4ª feira eu me sentia como se tivesse tomado um soco muito forte no estômago. Levantei e fiz uma grande bobagem que relato para vocês e não aconselho ninguém a fazer. Peguei os remédios(8 caixas de diversos antis) e joguei tudo fora....tomei um comprimido para dor de cabeça e fui tomar um café da manhã decente... voltei, tomei um 2º banho e deitei novamente... talvez um pano de chão estivesse mais inteiro do que eu...depois de mais 2 dias eu estava bem e voltei para a Officina.
Estava razoavelmente bem e então, fui aos e-mails. Dos compreensivos, claro, boas vibrações e dos tumultuados, ironias e más palavras. encarei um rádio, sucesso. Estava atento e trabalhando bem...até que ao acordar alguns dias depois eu me senti mal de novo e pior, estava com tremores nas mãos e uma dificuldade imensa de buscar algumas informações na própria memória...fui almoçar na casa de minha mãe e meu pai percebeu que eu não estava bem....fomos ao médico...evidente que a interrupção brusca dos medicamentos levou ao "novo quadro". Eu devia ter voltado aos medicamentos numa forma à ir reduzindo a posologia gradualmente, mas não voltei...além do descrito acima, um gosto ferroso na boca me tirou o prazer dos alimentos.
Ainda bem que esses efeitos duraram pouco...tempo suficiente para mais alguns e-mail não polidos...
Bem....agora as coisas caminham razoavelmente bem...um dia após outro, um passo de cada vez, enfim...vamos vivendo.
Espero que a Santidade máxima, como quer que você a conceba, o abençoe imensamente.
Esta semana, algumas atualizações com rádios feitos nesse período...não muitos, nem poucos, apenas na medida exata, assim como eu adotarei nos próximos dias.

Um grande Abraço e até breve....

P.S. Uma valvula de escape foi o meu programa de rádio...espero que vocês gostem: http://tempodovovo.blogspot.com

Officina do Rádio Antigo. (16)3412-6692 Rua Dona Alexandrina, No. 398 - Centro São Carlos - SP CEP 13560-290 officinadoradio@gmail.com

3 comentários:

Rodrigo disse...

Indalécio, viu como a dedicação desapegada aos seus ideais fez bem à sua condição? Isso é um caminho. Agora, jamais, jamais pare de tomar medicamentos desse tipo abruptamente, pois as reações adversas podem ir desde coisas mínimas, até aquilo que você sentiu (e, dizem, até mais graves). Boa sorte com seu tratamento e aguardamos ansiosos pelas atualizações do blog. Um abraço, Rodrigo.

Vagner / Jacareí-SP disse...

Força !! Indalécio !!:)

lsmorato disse...

Nunca esqueça, mestre, que estamos aqui torcendo sempre pela sua recuperação e orando para que sua saúde seja plena!

Saúde e paz!